quarta-feira, 30 de julho de 2008

O dragão desperta!

Taí a capa do meu novo livro! Despertar do Dragão é o terceiro volume da saga de fantasia A Caverna de Cristais, que tem também O Arqueiro e a Feiticeira e Aliança dos Povos, já publicados. A capa foi feita pelo artista plástico Milton Nakata. E haverá uma tarde de autógrafos na Bienal do Livro, em São Paulo, no estande da Idea Editora: dia 23 de agosto, às 16h30. Vc já está convidado!

Assassinato na Bienal


Este é o Assassinato na Biblioteca, meu novo livro que a Rocco vai lançar agora, em agosto, na Bienal. A capa é um trabalho do conceituado designer Rico Lins.
A história: a bibliotecária da escola é assassinada justamente na manhã em que o adolescente Igor se esconde na biblioteca para fugir da aula. Para descobrir o assassino, ele se envolve numa trama de mistério, perigo, suspense, reviravoltas e novos assassinatos que podem estar ligados a um crime ocorrido 37 anos antes, durante um período obscuro da história brasileira: a ditadura militar.

Um amor de vampiro

Lord Dri (o escritor Adriano Siqueira) mandou convite para a noite de autógrafos de Amor Vampiro, na Bienal do Livro, de Sampa. Será no dia 17 de agosto, às 18h, no estande da Giz Editorial. Amor Vampiro reúne contos de sete autores: André Vianco, J. Modesto, Nelson Magrini, Adriano Siqueira, Giulia Moon, Martha Argel (os seis na foto) e Regina Drummond.
Em tempo: a foto foi devidamente copiada do álbum no Orkut do J. Modesto... hehe

Pesquisa sobre vampiros


Meus grandes amigos Martha Argel e Humberto Moura Neto estão há tempos mergulhados em um projeto fascinante: uma pesquisa inovadora sobre os contos que lançaram as bases para o vampiro clássico ao longo do século XIX. Este trabalho de fôlego já virou livro, que será lançado oficialmente na Bienal do Livro, em São Paulo. Em breve, mais novidades sobre o assunto.

Histórias de bruxarias

Seis histórias diferentes integram o lançamento Necrópole - histórias de bruxaria, da editora Alaúde, terceiro volume de uma coleção dedicada ao suspense e ao terror que sempre traz autores nacionais. Desta vez, temos Alexandre Heredia, Camila Fernandes, Eric Novello, Gianpaolo Celli, Nazarethe Fonseca e Richard Diegues.
Tive o prazer de contar com uma história da Nazarethe, O Preço da Vingança, na antologia Anno Domini, que organizei com o escritor Claudio Brites.

Cajuzinhos e literatura

Misturar literatura e doces em um evento literário foi uma idéia sensacional da premiada escritora Rosana Rios. No último dia 26, ela relançou sua coleção Para Ler e Saborear, na FNAC Paulista. Ela conta como foi em seu blog, Espaço Rosana Rios. As "formiguinhas" Martha Argel e Giulia Moon, minhas escritoras vampíricas favoritas, apareceram lá para conferir!

Kizzy e as bruxas

No dia 16 de agosto, às 14h, o talentoso escritor Kizzy Ysatis vai lotar o estande da Novo Século na Bienal do Livro, em Sampa. É o lançamento nacional de seu mais novo título, Diário da Sibila Rubra. Seus leitores-beta já aprovaram! Olha só a sinopse:
DIÁRIO DA SIBILA RUBRA – O Retorno das Bruxas é a história de uma antiga ordem de bruxas profetisas que chegaram ao Brasil com os imigrantes da Ilha da Madeira e que povoaram a Ilha de Santa Catarina, famosa pela alcunha de Ilha das Bruxas. O romance é narrado por Elaine, uma jovem sibila. O livro não é uma continuação de Clube dos Imortais, mas um derivado. Descobrimos como ocorreu o primeiro encontro de Elaine com o sádico e charmoso vampiro Luar e, consecutivamente, o encontro de Luar com o Fausto, o lobisomem adolescente que trabalha como guardião do vampiro. Assim, os três protagonistas formam um machadiano triangulo amoroso que pode não terminar bem. Recheado de reviravoltas e surpresas, o clima é de ação crescente, com atenção voltada para a trama fragmentada e a construção das personagens.

Vianco a mil

Como sempre, o escritor André Vianco não pára. Agora, em agosto, ele autografa na Livraria Siciliano do Shopping Flamboyant (dia 8, das 18 às 21h)) e participa do festival Nippon Sama (dia 9, das 17 às 20h), tudo em Goiânia. No dia 16, das 18 às 21h, é a vez da tarde de autógrafos na Bienal do Livro de São Paulo, no estande da editora Novo Século.
E tem livro novo em breve: O caminho do poço das lágrimas. Como o próprio Vianco define, é uma trama bem diferente, com a melancolia marcante e a pegada sombria típicas do autor.

Até ela?! rsrs

Muito divertida as montagens, só com famosos, que o escritor Jonatas Syrayama fez com nosso livro, o Anno Domini. Tem mais no blog dele: http://www.msn.mercenario.zip.net/

terça-feira, 29 de julho de 2008

A grande noite santista do Domini





Precisa contar que a noite de autógrafos do Anno Domini, em Santos, foi um tremendo sucesso? A Realejo Livros ficou lotada, com gente se espalhando pela calçada e se espremendo para entrar na livraria e conseguir os autógrafos dos autores. E eu, como toda professora coruja, me senti super orgulhosa dos meus alunos do curso de criação literária, que ministro aos sábados na Realejo. Este pessoal (Ana Luiza Garcia, Arlete Sobral, Hanna Liis-Baxter, Lívany Salles, Renato Arfelli, Sergio Sparsbrod e Thiago Cabello) conquistou um espaço merecido com contos bons e muito criativos nesta antologia que ajudei o Claudio Brites a organizar. Além dos meus alunos, participaram do Domini mais gente talentosa, como a premiada escritora Madô Martins, Danny Marks, Jonatas Turcato Syrayama, Paulo Dumi (meu aluninho na faculdade) e Kathia Brienza (também minha aluna, mas de aulas on line). Só gente boa!
Acima, lá estamos nós, posando para a tradicional foto histórica... E postei também a matéria que saiu sobre nosso evento, no jornal A Tribuna, com enorme destaque, e uma foto que mostra a movimentação da livraria (logo atrás de mim, de camiseta verde, está o Didi, autor da foto histórica).

terça-feira, 22 de julho de 2008

Lançamento do Domini em Santos


Agora é a vez dos autores aqui da Baixada Santista! No próximo dia 26, a partir das 19 horas, na Realejo Livros, haverá a nossa noite de autógrafos da antologia de contos Anno Domini. Ao lado, veja só o convite caprichado que o Roberto, da Realejo, fez pra gente. :-)
Da nossa região, participam do Domini os autores Ana Luiza Garcia, Arlete Sobral, Danny Marks, Hanna Liis-Baxter, Jonatas Turcato Syrayama, Kathia Brienza, Lívany Salles, Madô Martins, Paulo Dumi, Renato Arfelli, Sergio Sparsbrod e Thiago Cabello.
Além de co-organizadora, participo com dois contos (Desata-me! e Do pó ao pó). hehe

A vez do Anno Domini - III




Mais três fotos. Na primeira, momento histórico com os autores de Santos. Da direita para a esquerda: Renato Arfelli, Arlete Sobral, Hanna Liis-Baxter, eu, Lívany Salles e Sergio Sparsbrod (de azul). Também na foto, aparecem o escritor Albarus Andreos (de camisa bege) e o editor Edson Rossatto.
Abaixo, Edson, Claudio Brites e eu apresentamos oficialmente o Domini.
E, ao lado, o autor-fantasma Ricardo Delfin, que só eu, o Danny Marks e o Ademir Pascale conseguimos ver... rsrs

A vez do Anno Domini - II





Mais fotos do lançamento na Casa das Rosas...
Estou nas fotos com o Ademir, sua simpática esposa Elenir, Bruno Freitas e Claudio Brites, Patrícia Angel (que veio da Bahia para comemorar com a gente) e, por último, com dois amigos muito especiais (Leandro Chernicharo e Silvio Alexandre).

A vez do Anno Domini - I







Em janeiro deste ano, meu amigo Claudio Brites pensou em mim para ajudá-lo na organização do Anno Domini - Manuscritos Medievais, uma antologia de contos que o Edson Rossatto, da Andross Editora, estava preparando. Foi aí que nossa maratona começou: o Claudio, atrapalhado com os preparativos para o nascimento da filhota Ana Luisa, e eu, lutando contra o tempo na correria diária. Na caixa de entrada do meu Outlook, dezenas e dezenas de e-mails com contos pra avaliar, revisar, msn ligado direto pra conversar com o Claudio, com o Edson, com os autores... No dia 4 de julho, quando a Ana Luisa nasceu, o pdf. do livro finalmente foi para a gráfica. Um trabalho de equipe que exigiu muito fôlego para garantir a boa qualidade dos contos selecionados. Foram 53 no total, numa obra que reuniu 49 autores.
A certeza de que tudo realmente valeu a pena só veio mesmo quando, enfim, vi o livro pronto. E só pude corujar este novo filho na noite de autógrafos em Sampa, dia 19 de julho, na Casa das Rosas.
Acima, tem alguns momentos registrados. A primeira foto mostra a clássica fachada da Casa das Rosas. A segunda traz a simpática autora Monica Sicuro, que veio especialmente do Rio para o lançamento. A terceira: outro autor do Domini, Leandro Radrak, que também é um velho amigo meu (no envelope, havia um presente para mim: o original encadernado de seu livro, Filhos de Galagah). E, por fim, a foto tradicional dos autores na escadaria: ao meu lado, o amigão Silvio Alexandre; logo à frente, de moletom bege, outro amigo, Raphael Draccon (Dragões de Éter), e, atrás dele, de camisa azul, o escritor-cavaleiro Claudio Villa.
Ah, copiei as fotos do orkut de vários autores. É que, como sempre, esqueci de levar a câmera... rsrs

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Na contagem regressiva pra Bienal


A Carminha, que cuida da saga da Caverna na Idea, me mandou ontem um pdf. com o miolo do livro 3, Despertar do Dragão. Como sempre, ela fez um trabalho primoroso de revisão e diagramação. E eu, chata como sempre, vou ler tudo de novo. Sempre prefiro revisar em excesso... rsrs
Depois, assim que o Milton Nakata enviar a capa, é só mandar pra gráfica, bem a tempo para a Bienal do Livro, em São Paulo. O Rodrigo Coube, inclusive, já agendou uma tarde de autógrafos no estande da Idea: dia 23 de agosto, das 16h30 às 18h.
Agora é torcer para tudo dar certo. ;-)

Nanquim também me trouxe a Idea


Pois é, uma das cópias do meu original, Nanquim, foi parar na mesa do empresário Rodrigo Coube, dono da Idea Editora, lá em Bauru. Quando ele me passou um e-mail, interessado no livro, a Alê já estava fechando pra mim o contrato com a Paulinas. Daí, e-mail vai, e-mail vem, e ele se interessou em publicar o livro 2 da saga da Caverna, Aliança dos Povos. Novamente a Alê entrou na parada e, no final, a Idea fechou contrato com todos os livros da saga, inclusive o 1, que deve relançar em 2009. :-))))))
Foi então que conheci o pessoal incrível de Bauru: a multi Carminha (que cuida dos meus livros), o atarefado Glauco e a super simpática Regina (loirinha como a Erin). O Aliança foi lançado em 2007. Agora, em agosto, teremos o lançamento do livro 3, Despertar do Dragão, na Bienal do Livro...

Nanquim, o labrador negro

O ano de 2004 não foi nada produtivo. Escrevi apenas uma história, a infantil Nanquim - Memórias de um cachorro da Pet Terapia, e comecei outra história de fantasia, Kimaera. Lembro que aproveitei o feriado de 7 de setembro para imprimir várias cópias do texto a serem enviadas pelos Correios. O destino: editoras com catálogo infanto-juvenil.
Nos meses seguintes, recebi várias cartinhas educadas das editoras, recusando meu livro. Já estava desistindo quando chegou, em 13 de dezembro daquele ano, um e-mail da Paulinas:
"Prezada Helena,
Com prazer comunicamos que a obra NANQUIM - MEMÓRIAS DE UM CACHORRO DA PET TERAPIA, de sua autoria, foi aprovada pelo nosso Conselho Editorial e aceita para ser publicada." Foi um senhor presente de Natal! hehehe
Meu Nanquim é uma versão egocêntrica e muito engraçada do labrador negro Nanquim, um cachorro super fofo que, antes de se aposentar no ano passado, atuava na Pet Terapia do Hospital Guilherme Álvaro, em Santos.
Se tudo der certo, Nanquim estará saindo agora, em outubro. :-)

Enfim, vinho branco para comemorar

Trabalhar com a Rocco também significa trabalhar com a doce Laurinha, que cuida com carinho dos meus livros na editora. Na época do Lobo Alpha, em 2005/6, também conheci o trabalho do John e da Fernanda, responsáveis pelo visual incrível do livro. Tudo coordenado pela super Ana Martins. Aliás, por mais incrível que possa parecer, não conheço pessoalmente ninguém da equipe. Eles estão no Rio, eu estou em Santos, litoral de São Paulo... Ainda bem que existem e-mails e interurbanos. rsrs
Ah, tenho de contar sobre o site... Olha, admiro profundamente quem sabe montar um site. Fiz um curso para fazer o http://www.loboalpha.com.br/, mas, ainda assim, apanhei pra caramba! Um ano depois, fui obrigada a reformular o site da Caverna (a primeira versão foi um super presente-surpresa do meu amigo Kleber Bonjoan).
Finalmente, com site no ar, divulgação a mil feita pela Rocco e muita, mas muita expectativa, tivemos a noite de autógrafos do Lobo aqui em Santos, na Realejo Livros, com direito a coquetel e vinho branco. Juro que nunca dei tanto autógrafo na minha vida!

Quando o lobo atropelou o arqueiro


Chegou 2003 e eu ainda escrevendo páginas e páginas da saga da Caverna... Estava mais do que na hora de pensar em outros projetos, certo? "Há autores de uma história só, como vc", me disse uma vez o Silvio Alexandre. Mas eu não queria ser autora de uma história só, entende? Havia muitas outras coisas pra contar.
Então, em julho daquele ano, tomei a decisão drástica. Interrompi a saga no livro 6 para apostar em um novo projeto, Lobo Alpha. Vc acredita que eu fiquei arrasada com essa decisão? Chorei pra caramba! Foi como perder alguém muito querido, muito próximo. Mesmo assim, segui em frente.
O Lobo me levou a trabalhar outro universo, bem diferente do universo da Caverna. Como ponto de partida, utilizei alguns personagens batizados pelo desenhista Bar: Amy, Wolfang, Wulfmayer, Cannish e Blöter. Como diferencial, misturei texto e roteiro de HQ.
Assim que veio o ponto final, começou a longa trajetória em busca de editora. Em 2004, li uma reportagem no Caderno 2 sobre o selo Jovens Leitores, da Rocco, que estava começando a apostar em autores nacionais. Na mesma semana, enviei o Lobo!
A ansiedade durou praticamente um ano. Numa sexta, dia 25 de maio de 2005, recebi um e-mail da gerente editorial Ana Martins, dizendo: "Oi, Helena, Lobo Alpha é muito bom. Vamos publicá-lo." Alegria pura!!!
Nesta mesma época, minha amiga, a escritora Viviane Pereira (com quem publiquei, em 1997, o livro de não-ficção Memórias da Hotelaria Santista, também em parceria com o grande pesquisador Laire José Giraud), me indicou uma agente literária, a Alessandra Pires. Foi a Alê quem cuidou do contrato com a Rocco e, desde então, cuida de todos os meus contratos, distratos e afins.

Só na lembrança


Imagina uma autora desconhecida lançando um livro fora de sua cidade, com pouca divulgação e ainda mais num lugar distante em Sampa, longe de qualquer livraria conhecida... Foi assim a noite de autógrafos do livro O Arqueiro e a Feiticeira, da saga da Caverna, em 2003. Muito triste mesmo. Não foi ninguém.
Para compensar, a noite de autógrafos, dias depois, na minha cidade, Santos, foi um tremendo sucesso. Gente lotando a pequena e antiga livraria Martins Fontes, no Gonzaga. Só teve um problema: esqueci de levar a câmera fotográfica... rsrs
Hoje, aquela noite incrível ficou só na lembrança. E nem pude registrar o cavaleiro medieval, com espada e escudo, que ficou o tempo todo do meu lado. Como o Silvio Alexandre não achou ninguém que fosse vestido de arqueiro ou de feiticeira, então convocou o escritor Claudio Villa. Super simpático e atencioso como sempre, Sir Claudio encarou a armadura de 13 quilos e desceu a Serra até o litoral para enfrentar o dilúvio que caiu sobre Santos naquela noite...

Fantasia? Ou é FC?

Sinceramente, não sei. Comecei a escrever a saga da Caverna sem me preocupar com classificações. Só depois é que descobri que a saga tem elementos de literatura de Fantastia e Ficção Científica. Mas o que ela é, na verdade, nem imagino... rsrs
Se vc conceituar literatura como algo inalcançável, fechado numa redoma de vidro, então esqueça qq cobrança quando conversar comigo. Prefiro ser apenas uma contadora de histórias. Para mim, a literatura tem um conceito mais amplo, aberto a todos que saibam cativar mentes e corações. Ela está no nosso dia-a-dia, faz parte de nós, interage com a TV, o cinema, as HQs, o teatro, os desenhos animados... É algo acessível, uma proposta aberta a todos que queiram explorar seus caminhos, descobrindo como contar uma boa história e trabalhar palavras para obter sensações e sentidos.
A saga da Caverna, então, é uma grande brincadeira com palavras, idéias, ingredientes, referências. É uma aventura que mistura tudo e mais um pouco. Só isso. E tudo isso.

A viagem, a editora e o dentista


Tive sorte de principiante mesmo quando comecei a procurar editora para publicar a saga da Caverna. Meu original acabou nas mãos do Douglas, da Devir. Ele me contou que, antes de pegar um avião para BH, pegou um texto qualquer da pilha imensa de originais que a editora recebe para analisar. Claro que era o material do livro 1! hehehe
Foi engraçado pq, quando retornou da viagem, ele me ligou do consultório do dentista, enquanto esperava para ser atendido. Na hora, eu estava brigando com a minha impressora e atendi ao telefone com um alô muito do furioso. Acho que assustei o coitado... rsrs
Ainda bem que ele insistiu, perguntou se eu era mesmo a Helena Gomes, se apresentou e começou a elogiar o livro... Quem conhece o Douglas sabe que ele gosta analisar muito bem a situação antes de ir ao ponto. Só depois de muito papo é que ele perguntou se eu gostaria de publicar o livro 1 pela Devir... hehehe Foi um dos dias mais felizes da minha vida!
Logo depois conheci meu grande amigo Silvio Alexandre, que cuidou da edição do livro. Na época, ele trabalhava na Devir e organizar o Fantasticon, o evento mais importante na área de Literatura Fantástica no Brasil, não passava de um sonho...

Um arqueiro, uma feiticeira


Sabe, as histórias sempre existiram na minha cabeça desde que me entendo por gente. A mais doida delas, com certeza, é a que deu origem à saga da Caverna. Tudo começou quando fui assistir no cinema ao filme O Feitiço de Áquila (sim, faz tempo! rsrs). Fiquei com vontade de criar uma feiticeira tão incrível quanto a Michelle Pfeiffer e um arcebispo tão cruel quanto o bispo de Áquila. Pois é. E cadê a coragem de colocar a história no papel?
Primeiro, ela nasceu como uma HQ gigantesca. E era muito diferente. A personagem Hannah, minha feiticeira, era disputada por dois irmãos. Um deles era o Kirian, um cara mais ligado em magia, e o outro, um chato irmão mais velho, daqueles cavaleiros bem tradicionais. E acontecia muita coisa antes de se chegar ao Thomas, meu arqueiro. Acho que a única idéia original que mantive foi a parte sobre a Alix e o Erec... hehehe
Só comecei mesmo a escrever a história muitos anos depois, em 2001. Daí, fiquei meio que (hum, acho que totalmente... rsrs) dominada pela saga. Escrevi os livros 1, 2 e 3 em 2001, terminei o 4 e fiz o 5 no ano seguinte. E o 6 foi feito em 2003, quando me obriguei a largar tudo para escrever algo diferente para mim: Lobo Alpha...
Ah, a ilustração acima é do desenhista Sérgio R. M. Duarte, que fez os desenhos para o site da Caverna.

"Tolkien entrou na caverna"


A frase aí de cima é que deu origem a tudo. Claro que é só uma frase boba, mas pra mim se tornou especial. Foi com ela que comecei a escrever uma história que, no início, só teria 2 livros. Mas, então, quando cheguei ao final do livro 2, senti que ainda faltavam algumas coisas pra contar. Vieram os livros 3 e 4, depois o 5, o 6 e o projeto do 7... A frase boba acabou sendo o pontapé inicial de uma história contada em 7 livros: a saga A Caverna de Cristais. Ela está no prólogo do livro 1, O Arqueiro e a Feiticeira.
Me contaram que um cara ficou indignado pq batizei com o nome Tolkien um dos meus personagens. Ele viu a primeira linha do livro, desistiu de ler e ainda julgou a obra toda por aí! Surreal isso... rsrsrs
Só falta agora ser heresia batizar personagens com nomes como Machado, Assis, José, Alencar, Luís, Camões... rsrs

De capa para blog

O desenho incrível que tem na abertura deste blog é do fera Daniel Uires, responsável por ilustrar as histórias do meu amigo Rafa de Agostini (no Fórum Ragnarok e agora na saga Kyria). Na verdade, o desenho era minha sugestão para a capa da antologia de contos Anno Domini, que organizei com o grande Claudio Brites. Mas fui voto vencido. O Claudio e o Edson, da editora Andross (que publicou a antologia), preferiram utilizar para a capa o intrigante óleo sobre tela O Triunfo da Morte, de Peter Bruegel (1562). Claro que não perdi tempo e perguntei ao Daniel se poderia colocar o desenho aqui no blog... E quem ganhou foi o Mundo Nergal! hehehe
Acima, mais uma amostra do talento do Daniel. Tem mais no site http://snopao.deviantart.com/

Finalmente...


... criei vergonha na cara e comecei um blog. Pq há muito pra contar, deixar registrado, enfim, compartilhar com você tudo o que vivi e estou vivendo desde que resolvi escrever as histórias que existiam apenas na minha cabeça. Isto foi em 2001. Pra ser mais exata, no dia 1o. de janeiro. Pensei: novo ano, novo século, novo milênio, vida nova! Ai, ai, nem imaginava no que estava me metendo... rsrs
Mas não me arrependo, sabe. Escrever é dom e maldição (lembra, Leandro?). Ambíguo mesmo, mas não oposto, justamente pq passa por todas as nuances do branco ao negro. Tá, sem filosofar... rsrs
É dom pq te coloca em contato com vc mesmo, te faz ver o mundo com olhos mais críticos e sensíveis, te ajuda a crescer sempre, a buscar um aprendizado contínuo e a ser uma pessoa melhor. Mas é maldição pq escrever é uma atividade solitária. Afasta vc da família, dos amigos, de tantas horas de lazer... E quase te mata de ansiedade quando vc finalmente arruma coragem para mostrar teus primeiros escritos ao melhor amigo, quando resolve correr atrás de editora...
Bom, taí o blog! Nos próximos posts, registrarei algumas coisas importantes do passado... Daqui a pouco eu chego aos dias de hoje, ok?